Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

MULHERES NA DIREÇÃO - CINEMATECA - 02 a 30 de março de 2010

Neste mês de março, em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, a Cinemateca Brasileira dedica sua programação a um amplo panorama do cinema feito por mulheres, exibindo obras de cineastas fundamentais de todas as gerações. A retrospectiva é oportuna não apenas por conta da proximidade desta efeméride, mas também porque a questão das mulheres cineastas está em grande evidência devido à indicação ao Oscar deste ano conquistada por Kathryn Bigelow – que é apenas a quarta mulher a ser indicada ao prêmio de Melhor Direção e a primeira a chegar à cerimônia (realizada no dia 7 de março) com reais condições de levar o prêmio. Antes dela, concorreram apenas Sofia Coppola, Jane Campion e Lina Wertmüller.


Até meados dos anos 1960, a presença de mulheres na direção de longas-metragens era uma raridade. E foi apenas no final dos anos 1980, com a emergência de diretoras que conseguiam aliar prestígio e sucesso comercial, particularmente nos Estados Unidos, na Alemanha, na Itália e na França, que a situação mudou e as mulheres atrás das câmeras deixaram de ser vistas apenas como uma excentricidade. A história das mulheres cineastas, no entanto, é bem mais antiga: remonta ao início do cinema, mais precisamente ao ano de 1896, quando a francesa Alice Guy-Blaché assinou uma das primeiras obras de ficção do cinema, o curta-metragem La fée aux choux. Durante as décadas seguintes, bem poucas diretoras – como Ida Lupino e Dorothy Arzner – conseguiram penetrar o rígido esquema de produção dos grandes estúdios. Mas este período foi marcado também pelo surgimento de artistas que conseguiram se afirmar pela qualidade e originalidade de seu trabalho: as alemãs Leni Riefenstahl, que revolucionou a estética do documentário, e Lotte Reiniger, pioneira da animação; as norte-americanas Maya Deren e Shirley Clarke e as francesas Germaine Dulac e Agnès Varda, todas responsáveis por obras profundamente autorais e inovadoras, que marcaram as vanguardas cinematográficas.

Classificação indicativa: 12 anos
qua 10 21h15 | sáb 13 19h00

SITE: http://www.cinemateca.gov.br/programacao.php?id=4

MEUS FAVORITOS:

Cléo das 5 às 7 (Cléo de 5 à 7), de Agnès Varda ***
França/Itália, 1962, 35mm, pb/cor, 90’ | Exibição em 16mm | Legendas em português
Corinne Marchand, Antoine Bourseiller, Dominique Davray, Dorothée Blank
Os questionamentos de uma jovem cantora solteira que vagueia sem rumo pela ruas de Paris enquanto aguarda, por duas horas, o resultado de uma biopsia. Obra-prima precursora da Nouvelle Vague, o filme apresenta uma crônica de duas horas cruciais na vida de uma mulher, ao mesmo tempo em que retrata as mudanças de comportamento e do papel da mulher na sociedade em curso na França dos anos 1960. Trilha sonora de de Michel Legrand.
Classificação indicativa: 14 anos
qui 04 21h00 | sáb 06 19h00


Danzón – Meu amor perdido (Danzon), de Maria Novaro ****
México/Espanha, 1991, 35mm, cor, 120’ | Legendas em português
María Rojo, Carmen Salinas, Tito Vasconcelos, Margarita Isabel, Víctor Carpinteiro, Blanca Guerra
Telefonista descasada na Cidade do México divide seu tempo entre seu emprego, sua filha e uma boate para onde vai semanalmente praticar a ‘danzon’, uma dança cubana muito popular na América Central. Quando seu parceiro de dança, que ela mal conhece, desaparece sem deixar rastro, ela decide partir em sua procura e ruma para a cidade de Veracruz, única pista de seu paradeiro. Lá, irá envolver-se em aventuras e descobrir a vida marginal da cidade portuária. Um dos mais populares filmes de María Novaro, a mais conhecida diretora de cinema do México.
Classificação indicativa: 14 anos
ter 09 21h00 | sex 12 18h30

Um dia de rainha (Reines d'un Jour), de Marion Vernoux ****
França, 2001, 35mm, cor, 96' | Legendas em português
Karin Viard, Hélène Fillières, Victor Lanoux, Jane Birkin, Atmen Kelif, Clémentine Célarié, Sergi Lopez
Comédia que acompanha, durante 24 horas, as desventuras amorosas de cinco personagens cujas histórias se entrelaçam e afetam o destino de cada um. Uma rede de atrações entre homens e mulheres, alguns velhos conhecidos, outros que se encontram por acaso, na qual uns querem tirar proveito da situação, outros acabam perturbados, e todos jogam com o inesperado. A diretora Marion Vernoux é conhecida também como roteirista do sucesso Instituto de beleza Vênus.
Classificação indicativa: 14 anos
dom 14 17h00 | qua 17 19h00

É proibido fumar, de Anna Muylaert
São Paulo, 2009, 35mm, cor, 86’
Glória Pires, Paulo Miklos, Marisa Orth, André Abujamra, Antonio Abujamra, Paulo César Peréio, Pitty, Marcelo Mansfield, Lourenço Mutarelli, Marat Descartes, Alessandra Colassanti
Professora de violão vive sozinha e entediada no apartamento que herdou da mãe, desejando secretamente viver uma grande paixão. Com a mudança de um músico de bar para o apartamento vizinho ao seu, ela tem a chance de realizar seu sonho. Mas, para que o romance dê certo, ela terá que abrir mão de seu mais antigo companheiro, o cigarro, já que o músico, ex-fumante, exige que ela abandone seu vício. Comédia romântica da mesma diretora de Durval Discos.
Classificação indicativa: 16 anos
sex 19 21h00 | dom 21 19h00

O

Ensemble for somnambulists, de Maya Deren
EUA, 1951, 35mm, pb, 7’ | Exibição em DVD | Silencioso
Dançarinos de balé realizam uma coreografia como se estivessem flutuando no espaço, brilhando como estrelas num céu escuro. Espécie de versão preliminar de um curta que viria a ser lançado três anos depois, The very eye of night, este fragmento não chegou a ser exibido ou lançado enquanto Maya Deren era viva, mas foi restaurado e passou a integrar o pequeno rol de filmes experimentais desta artista visual revolucionária. Produzido enquanto Deren ministrava um workshop na Toronto Film Society, o filme exemplifica a poesia e o uso da coreografia que marcaram algumas de suas mais notórias obras.
Classificação indicativa: Livre
dom 14 15h00 | ter 16 21h00

Entardecer (Nachmittag), de Angela Schanelec
Alemanha, 2007, 35mm, cor, 97’ | Exibição em DVD | Legendas em português
Jirka Zett, Miriam Horwitz, Angela Schanelec, Fritz Schediwy, Mark Waschke, Katharina Linder
Atriz de teatro vai para sua casa de campo, nas proximidades de Berlim, onde moram seu irmão mais velho e seu sobrinho. Durante três dias neste cenário aparentemente idílico, os personagens deixam aflorar seus traumas e frustrações e os conflitos familiares vêm à tona. Adaptação livre e pessoal da clássica peça de teatro A gaivota, de Anton Tchekov, transposta para a Alemanha contemporânea por uma das mais singulares vozes do cinema alemão contemporâneo. Ex-atriz teatral de grande prestígio, Schanelec realizou cinco longas-metragens marcados pela oralidade e pela beleza plástica, advinda de um cuidado extremo com a luz natural, além de toques sempre autobiográficos e mesmo feministas.
Classificação indicativa: 14 anos
qua 03 21h00 | dom 07 19h00

India song, de Marguerite Duras
França, 1975, 35mm, cor, 120’ | Exibição em 16mm | Legendas em português
Delphine Seyrig, Michael Lonsdale, Mathieu Carrière, Claude Mann, Vernon Dobtcheff, Didier Flamand
Uma história de amor entre franceses vivida na Índia, nos anos 30, numa cidade super populosa às margens do Ganges. A estação é a da monção de verão. Quatro vozes sem rosto falam dessa história de amor entre um homem e uma mulher, imobilizada na culminância da paixão. A mulher é a esposa de um embaixador da França nas Índias. O homem, o Vice-cônsul da França em Lahore, em desgraça em Calcutá, onde foi acusado de assassinato. Durante uma recepção na Embaixada da França o malfadado Vice-cônsul gritará seu amor por ela, diante dos olhos da Índia branca. Obra-prima da diretora, fotógrafa, roteirista e escritora Marguerite Duras, que exemplifica à perfeição seu estilo único, profundamente literário e reflexivo.
Classificação indicativa: 14 anos
ter 02 21h00 | dom 07 16h30

Irmãs ou a balança da felicidade (Schwestern oder die balance des glücks), de Margarethe von Trotta
Alemanha, 1979, 35mm, cor, 95’ | Exibição em 16mm | Legendas em português
Jutta Lampe, Gudrun Gabriel, Jessica Früh, Konstantin Wecker
Uma bem-sucedida secretária executiva financia os estudos de sua irmã, na esperança de que ela obtenha o mesmo sucesso profissional em sua carreira. A jovem, no entanto, não dá a mínima importância às pressões da irmã mais velha. Uma das mais famosas atrizes do período chamado de “Novo cinema alemão”, Margarethe von Trotta iniciou-se como cineasta em 1975, ao co-dirigir A honra perdida de Katharina Blum com Volker Schlöndorff, então seu marido. Entre os longas-metragens que dirigiu sozinha, destacam-se Die bleierne Zeit, com o qual venceu o Leão de Ouro do Festival de Veneza de 1981, Os anos de chumbo e Rosa Luxemburgo.
Classificação indicativa: 14 anos
qui 25 19h00 | sáb 27 20h30

Julie & Julia, de Nora Ephron
EUA, 2009, 35mm, cor, 123’ | Legendas em português
Meryl Streep, Amy Adams, Stanley Tucci, Chris Messina, Linda Emond, Jane Lynch, Casey Wilson
A história real de Julie Powell, novaiorquina que, insatisfeita com seu emprego no governo, decide escrever um blog narrando sua experiência ao tentar cozinhar diariamente todas as quase 500 receitas culinárias do livro Mastering the art of French cooking, da renomada Julia Child, ‘chef’, escritora e apresentadora de TV de grande popularidade nos Estados Unidos durante as décadas de 1950 e 1960. Por sua precisa interpretação de Child – cuja trajetória é apresentada paralelamente à de Powell – neste filme, Meryl Streep conquistou o 7º Globo de Ouro de sua carreira e a sua 26ª indicação ao Oscar. Já a diretora Nora Ephron destacou-se inicialmente na condição de roteirista de sucessos como Harry e Sally – Feitos um para o outro, A difícil arte de amar e Silkwood. Seu primeiro longa-metragem de relevância como diretora foi a comédia romântica Sintonia de amor.
Classificação indicativa: 12 anos
qui 18 21h00 | dom 21 15h00

Leni Riefenstahl, a deusa imperfeita (Die Macht der Bilder: Leni Riefenstahl), de Ray Müller
Alemanha/Inglaterra/França/Bélgica, 1993, 35mm, cor/pb, 182’ | Legendas em português
Em 1933, com o sucesso de seu filme Das Blaue Licht, a jovem Leni Riefenstahl, linda e glamurosa, parecia fadada ao estrelato internacional. Por insistência de seu ardente admirador Adolf Hitler, ela dirigiu O triunfo da vontade, que acabou se tornando um símbolo do Terceiro Reich e levando-a à condição de cineasta oficial do Partido Nazista, para o qual realizou também a obra-prima Olympia. Este audacioso documentário refaz o caminho da ascensão, queda e reabilitação desta polêmica personalidade, desde seus primórdios como uma ousada atriz até sua atual carreira como fotógrafa submarina, incluindo raras imagens de arquivo. Em entrevista ao realizador, Riefenstahl se confronta com questões que a perturbaram no passado e, pela primeira vez, suas respostas revelam porque a “a deusa do cinema do Terceiro Reich” é tão odiada e amada até hoje.
Classificação indicativa: 14 anos
sex 19 16h30 | sáb 27 15h00

Malou, de Jeanine Meerapfel
Alemanha Ocidental, 1981, 35mm, cor, 93’ | Exibição em DVD | Legendas em espanhol
Ingrid Caven, Grischa Huber, Helmut Griem, Ivan Desny, Marie Colbin, Peter Chatel
Uma mulher casada na faixa dos 30 enfrenta sérios problemas de identidade e decide buscar as causas em seu próprio passado. Ela deixa o marido para procurar os lugares que foram determinantes na vida de sua mãe, Malou, ex-prostituta e cantora de cabaré e exemplo típico da mulher convencional, que só vive em função do amor e da admiração dos homens. Trabalhando sobre um material de traços fortemente autobiográficos, a diretora Jeanine Meerapfel, nascida na Argentina, apresenta aqui um libelo contra a repressão de traumas passados e contra a opressão feminina.
Classificação indicativa: 14 anos
ter 02 19h00 | sáb 06 21h00

A música e o silêncio (Jenseits der stille), de Caroline Link
Alemanha, 1996, 35mm, cor, 109’ | Exibição em DVD | Legendas em português
Sylvie Testud, Tatjana Trieb, Howie Seago, Emmanuelle Laborit, Sibylle Canonica, Matthias Habich
Jovem de grande talento musical quer deixar a pequena cidade bávara onde vive com seus pais para estudar música em Berlim. Para fazer isso, contudo, ela terá que abrir mão de cuidar deles – que são surdos-mudos e contam com ela, desde a mais tenra idade, para servir-lhes de intérprete. Bem recebido pelo público e pela crítica, o filme foi indicado como representante alemão para concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro – prêmio que a diretora Caroline Link viria a conquistar em 2001, com o longa-metragem Lugar nenhum na África.
Classificação indicativa: 12 anos
ter 09 19h00 | sáb 13 16h00

Mutum, de Sandra Kogut
Brasil/França, 2007, 35mm, cor, 95’
Thiago da Silva Mariz, João Miguel, Izadora Fernandes, Wallison Felipe Leal Barroso, Rômulo Braga
Mutum é um lugar isolado no sertão de Minas Gerais, onde se passa a história do menino Thiago e sua família. Thiago tem dez anos e é um menino diferente dos outros. É através do seu olhar que enxergamos o mundo nebuloso dos adultos, com suas traições, violências e silêncios. Ao lado de Felipe, seu irmão e único amigo, Thiago será confrontado com este mundo, descobrindo-o ao mesmo tempo em que terá que aprender a deixá-lo. Baseado na obra Campo geral, de João Guimarães Rosa, foi vencedor do prêmio de Melhor Filme no Festival do Rio em 2007 e de Menção Especial no 58º Festival de Berlim, em 2008.
Classificação indicativa: Livre
qua 24 21h00 | dom 28 15h00

Noites sem dormir (J'ai pas sommeil), de Claire Denis
França/Suíça, 1994, 35mm, cor, 110’ | Legendas em português
Yekaterina Golubeva, Richard Courcet, Vincent Dupont, Beatrice Dalle, Line Ranaud, Alex Descas
É verão em Paris e as autoridades estão preocupadas com uma série de assassinatos de velhas senhoras solitárias, atacadas nas proximidades da Basílica de Sacre Coeur. Ninguém é capaz de encontrar o serial killer, que fica conhecido como “Matador de vovós”. Neste cenário, surge uma jovem atriz que emigrou da Lituânia à procura de emprego e se envolve com um músico e seu irmão, um dançarino travesti – que podem estar envolvidos com os crimes. Autora que vem conquistando uma posição de merecido destaque no cinema contemporâneo mundial, Claire Denis tem entre seus filmes mais marcantes Desejo e obsessão, White material e 35 doses de rum.
Classificação indicativa: 14 anos
qui 25 21h00 | sáb 27 18h30

Ouvi as sereias cantando (I've heard the mermaids singing), de Patricia Rozema
Canadá , 1987, 35mm, cor, 81’ | Legendas em português
Sheila McCarthy, Paule Baillargeon, Ann-Marie McDonald, John Evans, Brenda Kamino, Richar Monette
O mundo das artes plásticas visto através dos olhos de uma jovem que vai trabalhar como secretária em uma prestigiada galeria em Toronto. Fascinada pela elegante curadora da galeria, ela observa e fotografa cada detalhe de sua vida. Mas a relação de adoração que mantém com sua chefe a leva a suprimir a sua própria capacidade criativa. O título do filme faz referência a um verso do poema A cançao de amor de J. Alfred Prufrock, de T.S. Eliot, no qual se lê: “I have heard the mermaids singing each to each/ I do not think that they will sing to me” (eu ouvi as sereias cantando uma para outra/ eu não acho que elas cantarão para mim). Da mesma diretora de O segredo do quarto branco e Palácio das ilusões, baseado em obra de Jane Austen.
Classificação indicativa: 14 anos
dom 14 15h00 | ter 16 21h00

O porteiro da noite (Il portiere di notte), de Liliana Cavani
Itália, 1974, 35mm, cor, 117’ | Legendas em português
Charlotte Rampling, Dirk Bogarde, Philippe Leroy, Gabriele Ferzetti, Giuseppe Addobbati
Treze anos após o término da II Guerra Mundial, uma sobrevivente de um campo de concentração encontra por acaso um ex-oficial nazista que a torturou e agora é porteiro de um hotel em Viena. Após esse encontro acidental, eles passam a reviver a estranha relação sadomasoquista que experimentaram na condição de torturador e vítima – e que se transforma agora numa ardente paixão. Trabalho mais famoso da diretora Liliana Cavani (de A pele e O retorno do talentoso Ripley), este filme lançou a atriz Charlotte Rampling ao estrelato internacional.
Classificação indicativa: 18 anos
qua 10 19h00 | sex 12 21h00

Procura-se amor em Barcelona (Gaudi afternoon), de Susan Seidelman
Espanha, 2000, 35mm, cor, 88’ | Legendas em português
Judy Davis, Marcia Gay Harden, Juliette Lewis, Lili Taylor, Christopher Bowen
Uma americana que vive em Barcelona como tradutora de livros é procurada por uma conterrânea que nada sabe de espanhol e precisa encontrar seu marido – o qual, supõe ela, está escondido na mesma cidade. Apesar de sua relutância inicial, ela aceita a proposta por uma grande soma de dinheiro e acaba se envolvendo numa trama repleta de reviravoltas que envolve identidades falsas, famílias que se cruzam e até um complô de seqüestro. Baseado num romance de Barbara Wilson. Da mesma diretora de Cookie e Procura-se Susan deseperadamente.
Classificação indicativa: 14 anos
sex 19 19h00 | dom 21 17h15

O quadro negro (Takhté siah), de Samira Makhmalbaf
Irã/Itália/Japão, 2000, 35mm, cor, 85’ | Legendas em português
Said Mohamadi, Behnaz Jafari, Bahman Ghobadi, Mohamad Karim Rahmati, Rafat Moradi, Mayas Rostami
Um grupo de professores, todos homens, atravessam os caminhos montanhosos de uma região remota do Curdistão Iraniano carregando grandes quadros negros às costas, viajando de cidade em cidade à procura de alunos. Ao afastar-se dos outros, um professor se depara com um grupo de adolescentes que se arriscam contrabandeando bens entre o Irã e o Iraque e tentar convencê-los das vantagens de aprender a ler e escrever. Filha do aclamado diretor iraniano Mohsen Makhmalbaf, Samira estreou na direção já aos 21 anos, com o elogiado A maçã.
Classificação indicativa: 12 anos
qua 10 21h15 | sáb 13 19h00

The secret of the marquise (Das Geheimnis der Marquisin), de Lotte Reiniger
Alemanha, 1921, 35mm, pb, 2’ | Exibição em DVD | Silencioso
Um grupo de aristocratas se indaga sobre as razões para pele de uma marquesa ser tão delicadamente branca. Desenho animado de curta-metragem, realizado por uma das maiores pioneiras do gênero, no qual ela exerce o estilo que a consagrou: a animação de silhuetas recortadas, inspirada no teatro de sombras chinesas.
Classificação indicativa: Livre
qua 24 21h00 | dom 28 15h00

Sweetie, de Jane Campion
Austrália/Nova Zelândia, 1989, 35mm, cor, 97’ | Legendas em português
Geneviève Lemon, Karen Colston, Tom Lycos, Jon Darling, Dorothy Barry, Michael Lake, Andre Pataczek
A história de duas irmãs de vinte e poucos anos às voltas com seus pais e sua família disfuncional. Uma delas tem sérias perturbações mentais, que são ignoradas pelos pais e prejudicam o desenvolvimento da sua irmã. Este filme foi responsável por revelar ao mundo o talento da diretora Jane Campion, que posteriormente dirigiu obras como Um anjo em minha mesa, Retratos de uma mulher e Fogo sagrado, além de ter sido a segunda mulher indicada ao Oscar de Melhor Direção – por O piano, em 1992.
Classificação indicativa: 14 anos
qui 11 19h00 | dom 14 21h00


A última amante (Une vieille maîtresse), de Catherine Breillat
França/Itália, 2007, 35mm, cor, 104’ | Legendas em português
Asia Argento, Fu'ad Ait Aattou, Roxane Mesquida, Claude Sarraute, Yolande Moreau, Michael Lonsdale, Anne Parillaud
Nos bastidores da aristocracia francesa, segredos, intrigas e traições cercam o casamento entre um jovem libertino, e uma honesta e refinada garota da nobreza. Apesar do verdadeiro amor entre os dois, a corte considera improvável que ele consiga romper seu longo envolvimento passional com uma cortesã. Dona de uma obra provocadora, na qual a sexualidade está sempre presente, a escritora e roteirista Catherine Breillat também dirigiu, entre outros, os longas-metragens Romance X e O Barba Azul.
Classificação indicativa: 14 anos
qui 18 19h00 | sáb 20 21h00

Vá aonde seu coração manda (Va’ dove ti porta il cuore), de Cristina Comencini
Itália/França/Alemanha, 1996, 35mm, cor, 110’ | Legendas em português
Virna Lisi, Margherita Buy, Galatea Ranzi, Massimo Ghini
Próxima da morte, uma matriarca entrega à sua neta seu longo diário. Através desse testamento sentimental, a jovem percorrerá as passagens fundamentais da história de sua família. Um dos mais famosos filmes da diretora italiana Cristina Comencini e um dos últimos da musa Virna Lisi.
Classificação indicativa: 14 anos
sex 05 18h30 | dom 07 21h00

A
A vida íntima de Pippa Lee (The private lives of Pippa Lee), de Rebecca Miller
EUA, 2009, 35mm, cor, 93’ | Legendas em português
Robin Wright Penn, Mike Binder, Alan Arkin, Keanu Reeves, Blake Lively, Julianne Moore, Winona Ryder, Ryan McDonald, Maria Bello, Monica Bellucci
A vida tranqüila de Pippa Lee, uma dona-de-casa que vive com a família num subúrbio de Nova York, entra em crise quando seu marido, um bem-sucedido editor de livros 30 anos mais velho que ela, decide se aposentar e arranja uma amante ainda mais nova que ela. Neste momento, ela passa a rever as escolhas que fez em sua vida – retratada em flashbacks que a mostram na infância e juventude. Filha do aclamado dramaturgo Arthur Miller e casada com o ator Daniel Day-Lewis, Rebecca Miller iniciou a carreira como atriz e escritora antes de tornar-se uma das mais prestigiadas diretoras e roteiristas do cinema independente norte-americano com filmes como O tempo de cada um e O mundo de Jack e Rose.
Classificação indicativa: 16 anos
qua 17 21h00 | sáb 20 19h00

CINEMATECA BRASILEIRA
Largo Senador Raul Cardoso, 207
próxima ao Metrô Vila Mariana
Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

Ingressos: R$ 8,00 (inteira) / R$ 4,00 (meia-entrada)
Atenção: estudantes do Ensino Fundamental e Médio de escolas públicas têm direito à entrada gratuita mediante a apresentação da carteirinha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu estou muito contente com sua participação...aprender é compartilhar o saber.

beijos jo souza

EM 2011

EM 2011